Empresários apelam para chantagem, ameaças e compra de votos para aprovar Regime de Recuperação Fiscal do Governo Sartori

Causou espanto e preocupação ao Sintergs e seus representados a notícia de que empresários de diferentes setores do RS estão dispostos a, como pessoas físicas, fazer doações para candidatos que “encampem uma visão moderna de Estado”.

Estamos diante de um escândalo. Não bastasse tudo o que está acontecendo no País e no Estado, agora empresários apelam para compra de deputados para aprovar o Regime de Recuperação Fiscal que vai entregar o Estado.

Por que essa pressão dos empresários não é feita para buscar recursos como os créditos da Lei Kandir? Será mesmo que a solução de todos os problemas do Estado é o Regime de Recuperação Fiscal?

A notícia, publicada pelo jornal Zero Hora, dá conta de que o Governo Sartori terá o apoio de um grupo de empresários que trabalhará para convencer os deputados da necessidade de aprovação do Regime de Recuperação Fiscal.

Trata-se de um movimento que reúne empresários de diferentes setores e, segundo a reportagem, “embora o financiamento empresarial esteja proibido, os empresários, como pessoas físicas, estão dispostos a fazer doações para candidatos que encampem uma visão moderna de Estado. Isso vale tanto para o Executivo quanto para o Legislativo.”

Mas não para por aí. Além de chantagem, há ameaças. Segundo a reportagem, empresários da indústria, comércio e serviços avisam que os deputados serão responsabilizados pelas consequências de seus atos, se a rejeição dos projetos provocar o colapso dos serviços.

Ora, o colapso dos serviços já existe. Não há servidores públicos suficientes para o trabalho, as estruturas do Estado para atendimento da população são precaríssimas, faltam médicos, enfermeiros, policiais, servidores para tocar projetos importantes no Estado, faltam engenheiros, administradores, advogados, veterinários, arquitetos.

A pergunta é: por que tanto interesse de empresários, de um grupo que sequer se identifica, que não dá as caras, e que se diz cívico e supracorporativo, tem tanto interesse assim na votação do Regime de Recuperação Fiscal e do fim do plebiscito para venda de estatais?

Todo o deputado que votar a favor dessa proposta ficará tachado como vendido. O deputado que votar a favor desse escárnio será lembrado na história como aquele que colocou preço em seu voto para um grupo de empresários com interesses escusos.

Nós, do Sintergs, que temos posição, que nos identificamos, defendemos nossa visão de Estado de forma franca, direta, honesta, respeitando o jogo democrático e as leis republicanas desse País. Não parece que esses empresários estão fazendo o mesmo.

Os episódios do Mensalão e da Operação Lava-jato parece não terem ensinado nada mesmo a essa gente!