Governo Sartori teme mobilização dos servidores que decretaram greve e ensaia recuo

A greve e forte mobilização dos servidores públicos representados pelo Sintergs contra os ataques do Governo Sartori repercute fortemente no Palácio Piratini.

Mais um exemplo explícito foi dado nesta quarta-feira (11/10). Depois de três meses do pedido de audiência para tratar da criação do quadro da fiscalização agropecuária, o Chefe da Casa Civil, Fábio Branco, resolveu receber o Sintergs, Afagro e Agefa, pela manhã, no primeiro dia de greve dos servidores Técnicos-cientificos, Especialistas em Saúde e Extranumerários.

Na verdade, o Governo está com medo da mobilização dos servidores públicos e sucessivas greves desencadeadas que só faz aumentar nos últimos dias.

Um exemplo é a fiscalização do abate de animais, função dos fiscais agropecuários representados pelo Sintergs e pela Afagro. O Estado pode sofrer bastante com a greve dessa categoria, pois sem a fiscalização dos servidores, os animais não podem ser abatidos.

Greve

Teve início nesta quarta-feira (11/10) a greve dos quadros representados pelo Sintergs com manifestação no Centro Administrativo. A decisão pela greve dos servidores públicos representados pelo Sintergs foi tomada em Assembleia Geral Extraordinária da categoria, na tarde desta sexta-feira (06/10), em Porto Alegre