Secretaria Estadual da Saúde possui mais de 5,5 mil cargos vagos, e concursados esperam há 3 anos para serem nomeados

Com mais de 5,5 mil cargos vagos (Diário Oficial edição de Fevereiro), o que significa falta de servidores para prestar serviço de saúde pública para a população do RS, 645 concursados aguardam a nomeação da Secretaria Estadual da Saúde.

Ao mesmo tempo, a SES é a pasta, proporcionalmente, que apresenta 12 vezes mais Cargos de Confiança (CCs) e contratos emergenciais que as secretarias de Educação e até da Segurança. Ao todo, 6% de todos os cargos da Secretaria Estadual da Saúde são ocupadas com viés político.

O valor médio recebido em janeiro de 2017 por esses cargos na SES foi de mais de R$ 3.300,00, enquanto na Secretaria da Educação esse valor cai para aproximadamente R$ 2.250,00.

No sábado (18/03), completou três anos desde a homologação do concurso da SES, que ocorreu em 2013. Desse modo, há mais de 800 dias os concursados – assistentes de saúde, técnicos em saúde e especialistas em saúde – aguardam a nomeação por parte do Governo Sartori.

Protesto no CAFF

Com o apoio do Sintergs, na sexta-feira (17/03) pela manhã, os concursados realizaram manifestação no Centro Administrativo com apitaço e reivindicando a nomeação.

Após, o Secretário Adjunto da SES, Francisco Zancan Paz, recebeu a direção do Sintergs e os concursados. Sem assegurar data, Zancan admitiu que o processo sobre o concurso está na Secretaria Estadual da Fazenda, que definirá se haverá nomeação e o número de servidores.

Na próxima sexta-feira (24/03), haverá audiência do Sintergs e concursados com o Secretário Estadual da Saúde, João Gabbardo dos Reis.

Durante a reunião, o presidente do Sintergs, Nelcir André Varnier, acrescentou que a partir do Diário Oficial é possível ver que a SES necessita de servidores e que não faz sentido o Estado não nomear, pois quem mais sofre é a população, que é prejudicada com menos serviços.