Sintergs e Afagro estudam medidas a serem adotadas diante da aprovação da terceirização da fiscalização da carne no RS

Servidores deram as costas durante ofensas do Líder do Governo Sartori na AL, deputado Gabriel Souza (PMDB)

Numa sessão marcada por ofensas contra servidores públicos, principalmente de parte do Líder do Governo Sartori, deputado Gabriel Souza (PMDB), e do deputado Marcel van Hattem (PP), a Assembleia Legislativa aprovou o Projeto de Lei 125/2017, nesta terça-feira (15/08).

A partir de agora, frigoríficos e abatedouros pagarão sua própria fiscalização, fazendo com que o consumidor corra o risco de comer carne de qualidade duvidosa.

Durante toda a tarde, o secretário da agricultura Ernani Polo permaneceu na Assembleia Legislativa cercado pelos principais representantes da indústria de proteína animal do Estado. O PL 125/2017 foi gestado através de suposto estudo da consultoria Foco Rural, que por sua vez foi paga pelo Fundesa, fundo irrigado pela indústria da carne do Estado.

E assim, no fim da tarde desta terça-feira, foi pelas mãos de 35 deputados que o Estado tirou dos fiscais agropecuários concursados e que possuem poder de polícia administrativa a função de inspecionar a atestar a qualidade da carne que é consumida pela população gaúcha.

“Apesar dos reiterados apelos da sociedade, inclusive da imprensa, os deputados ignoraram e legislaram sem discutir com a sociedade e sem qualquer conhecimento sobre o tema da fiscalização da carne no Estado. Os parlamentares se mantiveram surdos a respeito do tema e simplesmente legislaram sobre um tema que desconhecem”, destaca o presidente do Sintergs, Nelcir André Varnier.

O Sintergs, a Afagro e diversas outras categorias que também se posicionaram contrárias ao projeto seguem mobilizadas contra a medida do Governo Sartori que insiste em desmantelar serviços essenciais que são de natureza pública. As entidades agora estudam caminhos que podem ser adotados para tentar impedir que a proposta avance.